RSS

Judeu Português, pensador, sefaradí, Bento de Espinoza (Baruch de Spinoza)

31 out

Baruch de Spinoza.

Judeu POrtuguês - sefaradita - sefardita Bento Spinoza

 

Essa é uma homenagem aos desbravadores, aos que pensam, aos que ousam ir onde os outros preferem parar. Uma singela homenagem aos que não param diante de uma irracionalidade, como se a fé fosse algo que nos impede de ter um cérebro. Como bem diz o Poema do livro de Bereshit o homem deve sujeitar a terra e dominá-la. Mas esse poema mostra uma interação, pois fomos formados de mesma essência da terra e assim sendo temos uma ligação e respeito com a mesma. Tudo ao seu redor revela que a bondade do Eterno está em tudo e que podemos sim recolher informações naturais que agreguem valor aos conceitos mais antigos, formulando assim um pensamento novo e que traga complemento e plenitude a um conhecimento mais primário e antigo. Pense! Ouse Pensar! O Pensar nos leva a diante e não gera torpor ao que o faz. Pinte o Pensar, Cante o Pensar, coma o Pensar, ouse freqüentar O PENSAR.

(Homenagem a Raimundo Carneiro Filho – de abençoada memória).

“era de mediana estatura, feições regulares, pele morena, cabelos pretos e crespos, sobrancelhas negras e bastas, denunciando claramente a descendência de judeus Sefaradim ou sefaraditas(Originalmente naturais da Espanha). No trajar muito descuidado, a ponto de quase se confundir com os cidadãos da mais baixa classe”.

Colerus que o conheceu em Rhynsburg.

 

 

 

 

Bento de Espinoza (também Benedito Espinoza; em hebraico: ברוך שפינוזה, transl. Baruch de Spinoza) foi um dos grandes racionalistas do século XVII dentro da chamada Filosofia Moderna, juntamente com René Descartes e Gottfried Leibniz. Nasceu nos Países Baixos em uma família judaica portuguesa e é considerado o fundador do criticismo bíblico moderno.

Vida:
Nasceu em Amsterdã no seio da família judaica, de portugueses foragidos da perseguição pela Inquisição.

Foi profundo estudioso da Bíblia, do Talmude e de obras de judeus como Maimónides, Ben Gherson, Ibn Reza, Hasdai Crescas, Ibn Gebirol, Moisés de Córdoba e outros. Também se dedicou ao estudo de Sócrates, Platão, Aristóteles, Demócrito, Epicuro, Lucrécio e também de Giordano Bruno;

Ganhou a fama pelas suas posições do panteísmo (Deus, natureza naturante) e do monismo neutro, e ainda devido ao fato da sua ética ter sido escrita sob a forma de postulado e definições, como se fosse um tratado de geometria.

Bento de Espinoza
ברוך שפינוזה

Spinoza statue the hague - Judeu sefaradí

Excomunhão

No verão de 1656, foi excomungado na Sinagoga Portuguesa de Amsterdã pelos seus postulados a respeito de Deus em sua obra, defendendo que Deus é o mecanismo imanente da natureza e do universo, e a Bíblia uma obra metafórico-alegórica que não pede leitura racional e que não exprime a verdade sobre Deus.

Conforme Will Durant, sua Excomunhão pelos judeus de Amesterdã, tal como ocorrera com as atitudes que levaram à retração e posterior suicídio de Uriel da Costa em 1647, fora como que um gesto de “gratidão” por parte dos judeus com o povo holandês.

Embora os pensamentos de Spinoza e da Costa não fossem totalmente estranhos ao judaísmo, vinham contra os pilares da crença cristã. Os judeus, perseguidos por toda Europa na época, haviam recebido abrigo, proteção e tolerância dos protestantes dos Países Baixos e, assim, não poderiam permitir no seio de sua comunidade um pensador tido como herege.

Pós excomunhão

Após a sua excomunhão adotou o primeiro nome Benedictus (“Bendito”, a tradução do seu nome original – Baruch – para o latim).

Para sua subsistência chegou a trabalhar com polimento de lentes, durante os períodos em que viveu em casas de famílias em Outerdek (próximo a Amsterdã) e em Rhynsburg. Nesta última localidade escreveu suas principais obras.

Uma vez que as reações públicas ao seu Tratado Teológico-Político não lhe eram favoráveis, absteve-se de publicar seus trabalhos. A Ética foi publicada após sua morte, na Opera Postuma editada por seus amigos.

Morte

Morreu num domingo, 21 de fevereiro de 1677, aos quarenta e quatro anos, vitimado pela tuberculose. Morava então com a família Van den Spyck, em Haia. A família havia ido à igreja e o deixara com o amigo Dr. Meyer. Ao voltarem, encontraram-no morto.

Traços físicos

Conforme Colerus que o conheceu em Rhynsburg, Spinoza “era de mediana estatura, feições regulares, pele morena, cabelos pretos e crespos, sobrancelhas negras e bastas, denunciando claramente a descendência de judeus Sefaradim ou sefaraditas(Originalmente naturais da Espanha). No trajar muito descuidado, a ponto de quase se confundir com os cidadãos da mais baixa classe”.

Reconhecimento

 

Estátua de Spinoza em Haia.

Suas obras o fizeram reconhecido em vida, recebeu cartas de figuras proeminentes como Henry Oldenburg da Royal Society of England, do jovem nobre alemão, o inventor Von Tschirnhaus, do cientista holandês Huygens, de Leibnitz, do médico Louis Meyer de Haia, do rico mercador De Vries de Amsterdã.

Luís XIV lhe ofereceu uma larga pensão para que Spinoza lhe dedicasse um livro. O filósofo recusou polidamente.

O príncipe de Condé, na chefia do exército da França que invadira a Holanda novamente convidou-o a aceitar uma pensão do rei da França e ser apresentado a vários admiradores. Spinoza desta vez aceitou a honraria, mas se viu em dificuldades ao retornar a Haia, por causa dessa suposta “traição”. Porém, logo o povo, ao perceber que se tratava de um filósofo, um inofensivo, se acalmou.

O monumento feito em homenagem a Spinoza, em Haia foi assim comentado por Renan em 1882:

“Maldição sobre o passante que insultar essa suave cabeça pensativa. Será punido como todas as almas vulgares são punidas – pela sua própria vulgaridade e pela incapacidade de conceber o que é divino. Este homem, do seu pedestal de granito, apontará a todos o caminho da bem-aventurança por ele encontrado; e por todos os tempos o homem culto que por aqui passar dirá em seu coração: Foi quem teve a mais profunda visão de Deus”

O retrato de Spinoza foi impresso nas antigas notas de 1000 florins dos Países Baixos, até a introdução do euro, em 2002.

Fonte:  Wikipédia

Fonte: www.bneianussim.wordpress.com

Anúncios
 
2 Comentários

Publicado por em outubro 31, 2009 em Sem Categoria

 

2 Respostas para “Judeu Português, pensador, sefaradí, Bento de Espinoza (Baruch de Spinoza)

  1. josé fernando da silva

    maio 14, 2014 at 6:09 pm

    Perdoe-me contestá-lo, mas Spinoza deixou de ser judeu ao ser excomungado. Não fortuitamente, sua primeira providência foi abandonar o nome “Baruch”, trocando-o por “Benedictus”.

     
  2. BenLev

    maio 14, 2014 at 6:51 pm

    A proposta aqui é falar de etnia e povo e não de religião. Porém ele viveu em um momento conturbado onde teve de faze-lo para proteger os judeus de sua época, já que discordar e pensar, ainda expor seus pensamentos contrários aos da igreja seria a morte e uma afronta. Deixar de ser considerado judeu não significa deixar de ser judeu. Alguns judeus, inclusive da atualidade são considerados como não judeus por alguns grupos e por outros considerados judeus por outros. É complexa essa situação, pois ser judeu não é raça e nem religião, mas povo e nação e isso inclui posições políticas e retaliações políticas. Espero ter ajudado neste complexo contexto judaico vivido em nossa história. * Detalhe é que ele não deixou seu nome judeu, mas assumiu o aportuguesamento de seu nome. Exemplo: Jacob, Yaakov, yacob Jacó, diego e etc. Albert E. também foi considerado não judeu porque não considerava a existencia de deus em sua concepção geral sincrética, porém se hoje ele vivesse ele seria considerado um filósofo adequado a alguns princípios como Rav Kook e Rambam.

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: